quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

NÃO VOTAR, NÃO É OPÇÃO

para mim, a não ser que me dê uma coisinha má no Domingo.

O que está em causa no nosso país é muito preocupante, por isso é importante que à semelhança da responsabilidade que nos cabe a cada um para travar esta pandemia, é urgente impedir o renascimento de uma outra pandemia, que conduza de novo este país ao buraco negro que viveu no passado.

Não há confinamento, descrença na classe política, intempérie, que nos impeça de exercer o que é um dever, mas também um direito que nos assiste, de contribuirmos para um país melhor, onde prevaleça a igualdade, a justiça, a liberdade. 

Afinal, é isso que todos queremos, certo?

Quando receber o boletim, a minha visão selectiva, irá percorrer apenas o rosto de 6 candidatos - uma vez que o cidadão Eduardo Baptista é uma carta fora do baralho - e em consciência, votar.

Venham comigo.

O cão fica em casa, o cartão de cidadão não necessita de trela, respeitemos o distanciamento, não há necessidade de cheirar cus alheios, nem lugar para conversas de chacha, quando chegar a nossa vez vamos até ao postigo para exercer o voto e ala para casa.

Na minha terra existe a expressão, "ao largo", que dizemos a alguém, por brincadeira, ou não, que significa que não queremos proximidade.

Portanto, meus amigos, palavra de ordem nestes dias de pandemia - ao largo - porra



segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

SOU EU


mas podia ser outro qualquer, por exemplo, um negacionista mascarado de pessoa tola e niquenta durante o Carnaval.

Não aprecio a expressão "passeio higiénico", parece que temos receio da simplicidade, e por isso a confrontamos com o ridículo.

Eu faço caminhadas e porque a minha saúde assim o exige, de contrário ainda alontrava mais em casa, por muito que o silêncio das paredes me desassossegue.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

YES WE CAN

Pessoas todas, a vida como vai? 

E o novo ano, ? Com novo confinamento à porta, estamos a começar mal, parece que a malta no Natal e passagem de ano pensou que o bicho também fosse comemorar lá para o raio que o parta, mas não, andou a distribuir veneno forte e feio.

E eu não querendo apontar o dedo a ninguém, como tenho lido por essas redes sociais fora, Jasus! e percebendo que estamos fartos disto e que a economia está a escambar, mas sabendo da fragilidade do SNS, do esforço hercúleo que todos os que estão na frente da batalha, estão a fazer, venho apenas deixar algumas sugestões para que todos juntos consigamos ultrapassar esta merda rapidamente.

Lembram-se de quando éramos crianças e nos obrigavam a ir visitar aquela tia/prima chata que dava muitos beijinhos, deixando a nossa cara numa lástima derivado do farto bigode que tinha? E nós fazíamos uma birra descomunal levando os nossos pais ao desespero e ficando o fim-de-semana de castigo, sem pôr um pé na rua, não havendo brincadeiras com os amigos? Então, agora é só prolongar esse castigo mais tempo e sair apenas o necessário, como se estivéssemos a ser perseguidos pelo bigode da tal tia/prima. Não custa nada.

Lembram-se do tempo da adolescência, em que nos apaixonávamos pelos bonitões e bonitonas que nem sequer sabiam que existíamos, e nós só desejávamos morrer (salvo seja) e queríamos estar sozinhos a chorar baba e ranho, de preferência sem ver ninguém? Lá está, prolonguem mais um tempo esse desejo de não ver ninguém, nem pintado de ouro.

Alguma vez vos aconteceu - aposto que sim - receberem visitas inesperadas, e terem a casa em estado de sítio, estarem vestidos como se fossem pedintes, terem apenas um copo de água para oferecer? Já me aconteceu. E o que é que eu queria? Que aquela gente boa debandasse o mais depressa possível de minha casa. Pois agora, mesmo com a casa a luzir, vestidas à Kardashians (o que não abona nada a nossa favor, mas prontes), com caviar e champanhe para oferecer, não é tempo de socializar com ninguém, em casa de ninguém. Tenham paciência, melhores tempos virão se todos contribuirmos para isso, inclusive quem nos governa.

E maltinha, prometo que quando formos livres de novo, no primeiro dia em que for anunciada o fim da pandemia (se ainda por cá andar) saio à rua neste despropósito. Não precisam de pagar para ver, vai ser grátis às damas e cavalheiros de todas as idades, raças, credos e afins.


Caramba, não me digam que só por isto não vale a pena o esforço, o compromisso de ajudar a colocar um ponto final nisto?

Finalmente, naqueles momentos de desespero, em vez de virmos para a varanda gritar que vai ficar tudo bem, gritemos umas caralhadas. 
É mais libertador, eu cá acho.



quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

PRIMEIROS PRESENTES

Duas bolsas para talheres, saídas das mãos da minha sogra, 87 anos de idade.

Quem sabe nunca esquece.

   



quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

CÁ POR CASA... #2

cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, cá por casa, por casa, por cá.         




sexta-feira, 27 de novembro de 2020

DE NOVO, PARA O MEU PAI

Faz hoje 5 anos que escrevi esta mensagem.

Hoje, que o meu pai faz a bonita idade de 79 anos, continua a ter ainda mais valor.

Parabéns ao meu pai que é um jovem senhor.




segunda-feira, 23 de novembro de 2020

FELIZ ANIVERSÁRIO

23 de Novembro de 1992, também era segunda-feira, quando tu vieste e me escolhes-te para tua mãe.

Obrigada por isso.

Parabéns filha, menina-mulher, minha luz na escuridão, meu amor...




quarta-feira, 18 de novembro de 2020

ESTE BLOG TEM MÚSICA DENTRO

Esta semana deu-me para a música, que é sempre uma boa opção.

Tirem a máscara (em casa, sim!), os sapatos e dancem.

Ponham o volume no máximo, se o vizinho reclamar, convidem-no a fazer o mesmo.

Sacudam por uns momentos, a tristeza, a ansiedade, o medo, a incerteza, e também o rabo.

Embora lá fazer um flash mobe caseiro, que eu, mesmo com dois pés esquerdos e uma perna bamba, sou primeiras.





segunda-feira, 16 de novembro de 2020

PORQUE TODOS SENTIMOS

"Now this mountain I must climb,

feels like a world upon my shoulders"

Ao vivo e a cores, Foreigner, I want to know what love is

Lou Gramm a mostrar que a idade é apenas um detalhe.




sexta-feira, 13 de novembro de 2020

YEAH! SEXTA-FEIRA 13

Venham as bruxas e vampiros, o Conde Drácula, o Frankenstein, lobisomens, fantasmas e caveiras, gatos pretos, morcegos, lua cheia, rufem os tambores, que hoje o homem cá de casa faz anos.

Parabéns marido.






segunda-feira, 9 de novembro de 2020

PESSOAS QUE ODEIAM SEGUNDAS-FEIRAS

e fazem questão de o gritar ao mundo e arredores, estão no seu direito.

Mas digo-vos, que já me começam a irritar comá merda, são vocês, o epidemiologista Paulo Portas e o virologista Marques Mendes, não há pachorra.

Não, não amo perdidamente a dita segunda, mas sabem do que gosto mesmo?

De chegar ao fim do mês e o ordenado cair na conta, porque tenho cenas, bué, para pagar, e para isso, (adivinhem lá) tenho de trabalhar.

E porque todos os dias me dá prazer acordar vivinha da silva, incluindo às 2ªs. feiras. Acordar morto é trágico.

Pá, arranjem outro ódio de estimação. Nem vou exemplificar com o vírus e a pandemia, porque antes deles surgirem já a desgraçada da segunda era vilipendiada, mas podem odiar os broches da Dra. Graça Freitas.

E antes de picarem o ponto, vejam o que o horóscopo vos reserva para a semana.



quarta-feira, 4 de novembro de 2020

MAIS UM.. E SIGA

Ontem, celebrei 30 anos de casamento - o homem também, ainda dizem que não há coincidências!!

Se em 1990, juntámos cerca de 150 pessoas no casório, ontem fizemos a festa, ambos os dois.

Se há cinco anos, celebrámos em Veneza, ontem foi em casa.

Se há dois anos foi num yurt no Glamping, O Homem Verde, este ano foi no nosso espaço.

E daí não veio mal ao mundo, não houve traumas nem decepções, apenas o que o actual estado de pandemia exige de nós.

Houve conforto, cumplicidade e bastou.



quinta-feira, 29 de outubro de 2020

NATURALMENTE

A beleza do lado de fora, o charme do lado de dentro.
(Pessoas perguntadeiras, o cão não é meu)
Casco, diga olá aos senhores e às senhoras.


FOTO DE AUTOR  CONHECIDO DA
AUTORA D´ESTE BLOG




segunda-feira, 26 de outubro de 2020

DOURADA MARIA...

de sua graça, 1,100g de beleza de peixe, chegou a minha casa no passado fim-de-semana, acabada de pescar.

Paz à sua barbatana, vai hoje a cremar.





quarta-feira, 21 de outubro de 2020

CÁ POR CASA...

vamos andando na forma do costume - expressão muito usada na minha terra e bem, porque ninguém tem nada com isso e assim fica a saber o mesmo.
Mas, ei, como vocês merecem, e sei que ficam com a vida em suspenso quando não assomo à janela, tenho a dizer que esta é a minha semana zen.
Ora, em que consiste este "zenismo" em plena pandemia?
Em boa verdade vos digo, que é a semana do homem ir às compras, ao super/hiper/mini mercado.
Nem preciso de as limpar, escovar, aspirar, ensaboar, desinfectar...
Oh, a felicidade nas pequenas coisas.





segunda-feira, 19 de outubro de 2020

A APP COVID

nada preocupada com a suposta obrigatoriedade de instalar a aplicação, de seu nome completo e portuguesíssimo, StayAway and never come back, Covid murderer son of a bitch,  assim como não me preocupa o que os búzios prevêem para a minha vida. 

Há que perceber que o primeiro-ministro anda exaurido da vida e a maldizer a hora em que decidiu disputar a liderança do PS com o Tózé Seguro, e  estar convicto que a coisa não passa dum delírio do dito primeiro.

Instalei-a antes de toda esta polémica, é só mais uma mano a mano com outras que tenho, e já estou a pensar na aplicação StayAway Costa, para as próximas eleições legislativas.



terça-feira, 13 de outubro de 2020

AJUDA DO PÚBLICO

Comecei a fazer umas bolachas a atirar pró saudável, porque sou rapariga que abusa nos doces e quando me dão as fraquezas (dia sim, dia também) se não comer qualquer coisa que me saiba a açúcar, ninguém me atura e eu já sou difícil de aturar sem estar com os azeites ou neste caso sem os açucares.
Vai daí tenho usado ingredientes fit, como a farinha de aveia.
Mas sou só eu que acho - o que não me espanta nada - ou o raio da farinha é difícil de moldar, trabalhar, usar, (como quiserem)?
Algum truque ou vou ter que me inscrever no Masterchef para totós?
Agradecida.

Caso estejam interessados estas levaram farinha de aveia, amêndoa moída, sumo de um limão e um ovo - a clara juntei à massa, a gema pincelei por cima das bolachas.
Não sendo nenhum petit gâteau em cama de fios de ovos , comem-se muito bem.





terça-feira, 6 de outubro de 2020

INTROSPECÇÃO DOMÉSTICA e não só

Em meados de Setembro andei com suadoiros, toda eu era calor, eu, que mal acaba o Verão já começo a sentir o frio nos ossos e nas carnes.

Neste fim-de-semana prolongado ainda pensei em sair para ver como andam as modas - leia-se, padrões de máscaras - mas achei muito bem e por bem, quedar-me por casa.

É aqui que vocês pensam que estive 3 dias, ora esticada, ora sentada, ora de cócoras no sofá, sem fazer ponta de corno.

Era o que devia ter feito, sim senhores, derivado a uma dor numa perna que me apoquenta miseravelmente há um mês. E, sim, já fui consultada pelo médico, imaginem a gravidade da coisa, porque foi uma consulta presencial, nada de telefonemas, nem diagnósticos telepáticos.

Vai daí levei no nalguedo 25 injecções, que coitadinho, ficou mais negro que a economia deste país e a dor pouco aliviou.

Voltando aos suadoiros, foram-se, voltei à normalidade, a sentir frio como uma alma depenada.

Como tal, foi sábado, domingo, nem a República escapou, a guardar a roupa de Verão, a lavar e passar a de Inverno, arrumar roupeiros, e uma vez que a maré estava favorável, a lavar cortinados, almofadas, cobertores e tapetes, foi até o detergente acabar e a perna ameaçar com paralisação por tempo indeterminado.

Se virem por aí uma cavalheira a arrastar um membro inferior, digam-me olá, mas não se cheguem...



quinta-feira, 1 de outubro de 2020

MAGUI RECOMENDA, por isso tomai nota

Há uns anos passou na Tv, penso que no AXN Black, uma excelente série policial dinamarquesa, Forbrydelsen, com 3 temporadas.

Eu gramava ouvir aquela língua estranha e cereja no topo do bolo, a personagem principal era uma inspectora, interpretada pela actriz Sofie Grabol, que não é propriamente uma beleza segundo os cânones postiços hollywoodescos.


Esta semana comecei a ver na Netflix, uma série belga, também policial, 13 Commandments. Outra língua arrevesada, o flamengo, mas que soa bem aos meus ouvidos.

Uma das principais personagens tem interpretação de Marie Vinck, outra actriz com características físicas semelhantes ao comum dos mortais.



Para além da qualidade das séries - na minha opinião - estes factores também contribuem para me prender ao écran, farta que estou de estereótipos fabricados para enervar cada um, com o mulherio a acordar pronto para um encontro com a Rainha de Inglaterra, argh!

Ok, também vi e aconselho a série inglesa The fall
E quem é o actor que interpreta o mau da fita?? Nada menos que o sombra-de-grey-coisa-mái-boa, Jamie Dornan, com um delicioso sotaque irlandês, que contracena com a ficheira-secreta Gillian Anderson, que nunca perde a compostura mesmo quando leva uns murraços do Jeiminho.
A Anderson está sofisticadérrima, e deve ter levado a beiça ao bisturi está sempre a fazer beicinho, calhando por causa de algum trauma que apanhou nos FX, mas isso são outros quinhentos. The fall é uma série interessante.




segunda-feira, 28 de setembro de 2020

TENHO CÁ PARA MIM

que este blog é deputado da nação com assento parlamentar.

Aparece de quando em vez para picar o ponto.

Não decide se é matutino, vespertino, diário, semanal ou quinzenal, não resolve nada, vá.

Umas vezes entra mudo e sai calado, outras esganiça-se para se fazer ouvir, como se aquilo que debita fosse a coisinha mais importante na vida do cidadão comum, ou fosse um erro de casting como tantas aventesmas que desfilam pelos corredores e afins de tão nobre assembleia.

Também gosta de brincar e fazer rir o pessoal, que é outra das distintas funções de muitos senhores e senhoras que deputam, e à semelhança do macaco que tramou a mãe com a brincadeira, igualmente nos quilham à grande e à portuguesa.

É nesta altura que este blog sai de fininho porque não tem ambição, muito menos esperteza, para enganar ninguém. 

Este blog é do bem, mas em bom.

Cuidem-se, fiquem em segurança, não me contaminem o estaminé.



segunda-feira, 21 de setembro de 2020

PARABÉNS MEUS QUERIDOS

pelo vosso primeiro aniversário de casamento.

Bodas de Papel, porque o papel simboliza a fragilidade de uma relação ainda muito jovem, que precisa de delicadeza e sabedoria para continuar intacta e forte.

Que tenham sempre sabedoria para aceitar e respeitar as fragilidades um do outro, e juntos as transformem em coragem e força para trilhar o caminho mais difícil, o da felicidade.





quarta-feira, 16 de setembro de 2020

A FUGIR DO 19

directamente para o 20.
Isto é que é pontaria.
A pessoa sai numa escapadinha - a pessoa já regressou, ca pessoa respeita os estados todos, do líquido ao gasoso, passando pelo de contingência - e tungas!
Já agora, como se chamam os naturais do nosso Covide?




sexta-feira, 11 de setembro de 2020

INGRATIDÃO? JAMÉ!

A pessoa - esta - anda com a inspiração pelas ruas da amargura.
A mesma pessoa não se encontra bem de saúde. 
Não (ainda) não é a peste negra do covid.
A mesmíssima não tem por cá passado.
E o que acontece nestes entretantos??
Este blog, pertença desta mesma, mesmíssima, bate recordes de visualizações.
Vindos em grande parte do reino da Suécia!!
Ó meus vännerguinhos...
se não convencerem os vossos vizinhos noruegueses a deixar o Nobel da Paz, sossegado, longe do Trump, deixam de cá vir picar o ponto.
Ficam fora do meu corredor aéreo.



quarta-feira, 2 de setembro de 2020

FOI EM SETEMBRO QUE TE CONHECI

 já dizia o Espadinha.

Talvez por isso, para muitas pessoas, Setembro seja um mês de novo(a)s começos, recomeços, amanheceres, conhecimentos, alvoradas, oportunidades, desejos, objectivos...

Simpatizo com ele, mas novo??

Na minha idade já nada é novo, na minervem!