quarta-feira, 12 de outubro de 2016

XL VERSUS XS

As pessoas que vestem tamanhos grandes como o XL, queixam-se com razão, da dificuldade que têm em encontrar roupa que lhes sirva, não, que nas lojas não se encontrem esses tamanhos, mas porque não correspondem efectivamente à realidade, provocando nas pessoas desconforto por não se conseguirem meter dentro dum XL - como é compreensível. 
O mesmo desconforto é válido para as pessoas que vestem pequeno, como eu, onde o caso muda de figura, por acontecer precisamente o contrário, muitas vezes um S é grande para mim e tratando-se de saia ou calças de tamanho XS, tenho que mandar apertar na cintura.
E os modelitos de blusa tipo saco larguíssimos que basta olhar para aquilo, mesmo no tamanho mais pequeno, para saber que não vou gostar de me ver, que é muito pano para pouco corpo.
Por isso é que há hábitos antigos que convém manter, a bem da minha sanidade mental, que já por si não é grande espingarda, como é o caso de mandar fazer roupa nas costureiras - que felizmente ainda se encontram e muitas até os tecidos vendem. Basta levar um desenho ou uma foto do modelo que pretendo e não preciso de correr Ceca e Meca à procura duns trapos.
É que vestir-me na secção de criança e andar de babygrow não é nada o meu estilo.


Imagem Massimo Fenati


11 comentários:

  1. Eu sofro do mesmo mal. Toda a vida vesti 34 ,36 e agora dou por mim a vestir 38 que ao fim de pouco uso vira saca de batatas na cintura. O drama é que odeio cintos e então levo o dia feira monga a puxar as calças para cima. Outra coisa que me intriga são os metros de tecido que tenho de cortar nas baínhas. Vai daí manda - se a uma costureira para arrajar e eis que as calças que tinham custado 15 euros passam a custar 30.
    Ainda gostava de saber quem é a gaja no nosso país que veste 34 ou 36 de cintura e tem umas pernas com quase dois metros...

    ResponderEliminar
  2. Das bainhas já nem falo, toda a vida foi assim, quem raio me mandou nascer com pouco mais de metro e meio. Tenho umas calças, que mesmo não gostando muito delas, às comprei porque não precisava de lhes arranjar a bainha, um dia talvez virem peça de museu.
    Em relação a essas gajas que referes, já as vi com estes olhinhos que a terra há-de comer, as bardajonas.

    ResponderEliminar
  3. Existem mesmo ?!
    Só me apetece chamar - lhes um nome...começado por "p" e acabado em "utas". Não o faço porque estou em tua casa . Só por isso. 😂

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Juro que sim. Ó melher tu és da casa, desabafa, antes que fiques engasgada. 😊

      Eliminar
    2. Ok. Já que insistes são todas umas putas magras dos cornos que não têm godilhoões naqueles cus !

      (pronto. Já estou aliviadinha.)

      Eliminar
  4. ainda bem que há costureiras. Tb quase toda a vida tive de arranjar as minhas calças e as dos miúdos tb. O que vale é que eu faço essas coisa. Só gasto linhas e tempo. E tb faço para clientes meus e quem quiser (aqui vêm o q faço: www.carrosseldelinho.blogsot.com ou www.1000projetus.blogspot.com). Se precisarem, não hesitem. E viva as costureiras. Elas são o melhor do nosso mundo de mulheres: fazem, ajustam, embelezam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo Maria, vivas para as costureiras.

      Eliminar
  5. Na secção de criança ainda me conseguiria vestir até aos meus 16 anos, mas já de babygrow não iria andar. Não sou fã de macacões. Uso muito os trabalhos da costureira, mas apenas para bainhas e alguns apertos básicos que detesto fazer. Mandar fazer roupa de raiz nunca experimentei - não fica muito caro?

    ResponderEliminar
  6. Se contarmos que as peças compradas em loja já não são baratas e se ainda tivermos que as arranjar à nossa medida numa costureira, fica ela por ela. Houve uma altura em que mandava fazer muita roupa na costureira e acho que vou voltar, porque realmente tenho dificuldade em encontrar algo para mim, que não precise de ser arranjado.

    ResponderEliminar
  7. A minha irmã "precisou" de ter a 2ª filha para deixar de passar pelo drama dos "XS" :P

    Sei bem o quanto palmilhávamos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem com a segunda filha deixei de usar XS, mas, quem nasce XS dificilmente chega a M 😄

      Eliminar